A música como refúgio e o silêncio como companheiro.

.

Terceirização na Administração Pública

Crédito da ilustração
Por que os administradores da coisa pública estão cada vez mais preferindo a terceirização para a realização de algumas de suas atividades? Argumentam que a modalidade configura economia de esforços e possibilidade de substituição sumária, nos casos de insatisfação com algum prestador (trabalhador) específico - em contrapartida, pode favorecer a instauração de uma incoveniente relação entre servilismo e abuso de poder.
.
Contrariamente ao que se pensa, o custo dessa contratação é superior ao despendido com admissões oriundas de concurso público para o desempenho das mesmas funções. Outras consequências adversas incluem a possibilidade de nepotismo para o preenchimento dessas vagas e a falta de comprometimento institucional dos terceirizados para com a Administração Pública - quiçá em razão das desvantagens de toda ordem oriundas de sua submissão a essa fórmula de contratação, quando comparados aos servidores públicos.
.
Supõe-se que esses processos administrativos estejam embasados em estudos técnicos prévios que justifiquem essa opção "facilitadora", em detrimento do concurso público, já que, à primeira vista, poderiam ser admitidos mais servidores que a quantidade de profissionais terceirizados, considerando, inclusive, o valor cobrado pela empresa prestadora de serviços (atravessadora da mão-de-obra), para operacionalização do contrato coletivo.
.
E caso existam esses estudos prévios, por que não é incentivada a criação de cooperativas de trabalho para o fornecimento dessa mão-de-obra, quando se tratar, em especial, da demanda de órgão PÚBLICO? Enquanto as empresas prestadoras preocupam-se com o tamanho de seus lucros, as cooperativas regulares de trabalho ocupam-se com o desenvolvimento integral do associado, do cooperado, do cidadão.
.
Espera-se que o governo atue nas áreas críticas, com responsabilidade social. Isso dá trabalho (claro!), mas justifica sua existência focada para o dito "bem comum", não de forma diversa.